25 de dezembro de 2010

Poesia

Humildade

Senhor, fazei com que eu aceite

minha pobreza tal como sempre foi.

Que não sinta o que não tenho.

Não lamente o que podia ter
e se perdeu por caminhos errados
e nunca mais voltou.

Dai, Senhor, que minha humildade

seja como a chuva desejada
caindo mansa,
longa noite escura
numa terra sedenta
e num telhado velho.

Que eu possa agradecer a Vós,

minha cama estreita,
minhas coisinhas pobres,
minha casa de chão,
pedras e tábuas remontadas.
E ter sempre um feixe de lenha
debaixo do meu fogão de taipa,
e acender, eu mesma,
o fogo alegre da minha casa
na manhã de um novo dia que começa.

Cora Coralina
http://pensador.uol.com.br/os_melhores_poemas_de_cora_carolina/

3 comentários:

Maria José disse...

Cora Coralina é simplesmente espetacular e falar de humildade com essa propriedade só mesmo para pessoas sensíveis de alma. É um prazer seguir seu blog. Grande abraço.

wcastanheira disse...

Oi amiga, mto legal sua página, bonstextos e uma ilustração q condiz com aquilo q vc mostra, seja bem vinda, aqui vc encontrará carinho e boa vontade em faze-la cada dia mais FELIZ, este espaço ´é uma área aberta para amizades e artes, pra vc aqui deste cantinho do RS lhe envio bjos, bjos e bjossssssss

Carlos Varoli disse...

Bom dia amiga, gostei muito do seu blog. Fiquei feliz com sua visita ao carlos espirita.
Te desejo um maravilhoso ano de 2011.
Felicidades,
Carlos

Postar um comentário